Frei Bruno Cadorè convoca todos os líderes mundiais e Estados membros das Nações Unidas para uma urgente ação no Iraque

por frei Bruno Cadorè (tradução de André Langer, do site do Instituto Humanitas Unisinos)

Excelências,

Ninguém de nós pode sentir-se indiferente diante do que está acontecendo no Iraque neste momento. O que vemos acontecer ali está clamando pela solidariedade e por uma resposta coordenada para deter a extrema violação dos direitos humanos contra as minorias indefesas que estão privadas da sua dignidade humana básica. Trata-se de uma violação do Direito Humanitário Internacional e um crime contra a humanidade. Nossos próprios irmãos e irmãs que estão entre estas pessoas e nos mantêm continuamente informados sobre sua situação aterradora. Os criminosos representam uma série ameaça não apenas para todo o povo do Iraque e todos os seus países vizinhos, mas também para todos nós, já que representam uma mentalidade e uma maneira de conceber a vida que, caso seja exitoso, atrairá muito mais adeptos, os quais poderiam colocar em perigo qualquer Estado. Embora o conflito pareça ser sobre a religião, de fato, não tem nada a ver com a religião já que Deus é um Deus da vida e não da morte.

Irmãs Dominicanas no Iraque observam o cenário de destruição.

Irmãs Dominicanas no Iraque observam o cenário de destruição.

É uma bênção para nós o fato de haver um fórum como o das Nações Unidas, onde existe o compromisso de construir um mundo harmonioso e pacífico. No entanto, muitas pessoas em situações frágeis tornam-se céticas em relação à sua ação já que seus gritos de ajuda e de proteção acabam em ouvidos surdos. A crise atual pode ser uma oportunidade para sair de uma mentalidade centrada apenas em “nossos próprios interesses nacionais” para outra, centrada na garantia da preservação da vida e da dignidade humana de cada pessoa, independentemente da sua raça, origem étnica, religião ou qualquer outra identidade.

conversa-com-o-maestro

Elogiamos os esforços daqueles países que estão respondendo às necessidades de segurança e ajuda humanitária das pessoas que fogem do Iraque. No entanto, isto ainda não é suficiente para garantir sua sobrevivência. Quando um Estado não tem a capacidade de controlar os brutais níveis de violência, em relação aos quais todos estão de acordo em que devem ser detidos (como é o caso agora no Iraque), então a comunidade internacional tem a obrigação de intervir para eliminar a capacidade de violência dos criminosos.

À luz disto, fazemos um apelo a você e a todos os Estados membros das Nações Unidas:

  • Que se avalie esta crise no Iraque hoje e se assegure o emprego imediato das unidades militares especializadas, da maior quantidade possível de países, para que se conte com a capacidade necessária para deter a limpeza étnica e setorial que se está desenvolvendo; garantir o retorno seguro dos refugiados aos seus lares; e levar os responsáveis à justiça.
  • Que se detenha o fornecimento de qualquer tipo de armas aos criminosos e se puna os que continuarem a fornecer armas.
  • Que se responda imediatamente para desarticular a crise humanitária que atualmente está se agravando.
  • Que se proteja os membros perseguidos de grupos minoritários e, de acordo com o Direito Humanitário Internacional, que se lhes conceda asilo sem demora.
  • Que se ponha em marcha imediatamente as condições para o diálogo e conversações de paz que incluam todos os setores da sociedade.

Esperamos e rezamos para que você e seus governos respondam a esta convocatória urgentemente.

Pe. Bruno Cadoré OP
Mestre da Ordem dos Dominicanos (Ordem dos Pregadores)

Anúncios

MJD Curitiba se encontra com provincial

por Leonardo Akira

 

No último sábado (16/08), o Movimento Juvenil Dominicano da paróquia Santo Antônio de Curitiba reuniu-se com Frei Edvaldo (Bruno) Antônio dos Santos,  provincial dos frades dominicanos do Brasil. Durante o mês de agosto o grupo está se reunindo para refletir, rezar e aprender um pouco mais sobre a história da ordem, tema este que Frei Bruno  apresentou aos jovens que estavam no encontro.

No começo de sua fala o provincial apresentou a fundação da Ordem dos Pregadores por São Domingos em 1216 e sua principal missão: dar o testemunho de vida e da doutrina da Igreja. A pregação, carisma central da ordem enraizada no estudo, na oração e vida comunitária tem a missão de levar a verdade (Veritas), que é Cristo.

Num segundo momento Frei Bruno contextualizou a chegada dos frades dominicanos no Brasil. Os primeiros da província da França em 1881 se instalaram em Uberaba, o vicariato que se instalou anos mais tarde em Santa Cruz do Rio Pardo, frades esses que deram origem a comunidade da paróquia Santo Antônio em Curitiba, e por fim a chegada dos frades malteses na comunidade da Vila Centenário, a outra comunidade (Nossa Senhora do Rosário de Belém) que existe na capital paranaense. Frei Bruno mostrou várias fotos da época dos primeiros frades. Contou sobre a fundação da província Frei Bartolomeu de Las Casas em 1998 e também nos disse sobre as congregações de irmãs e as monjas, que juntamente com as fraternidades leigas e o MJD, formam a família dominicana.

10522516_689122484515616_1013759804208384082_n

Como frade e como provincial, Frei Bruno acredita que não interessa o que é falado, mas sim o que o outro entendeu. É nesse sentido que para ele a juventude dominicana deve ser interlocutora com o mundo jovem, qual a verdade que devemos pregar no mundo de hoje, como contemplar e levar ao outro o fruto da contemplação foram alguns dos questionamentos que e esperanças que o provincial espera do jovem leigo dominicano.

Para nós, membros do grupo, foi um momento de muita alegria e com o nosso provincial que se colocou a disposição e partilhou seus conhecimentos e experiências.

Carta de convocação do 25º Encontro da Comissão Dominicana de Justiça e Paz

“Ao celebrarmos os 25 anos da
Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil,
agradecemos a presença constante do vosso Espírito
nos impulsionando à corresponsabilidade
nas lutas e nas esperanças dos nossos povos, fazendo de nossas vidas
um grito constante de multiplicados e multiplicadas Montesinos hoje, aqui”.
Trecho da Oração Jubilar dos 25 anos

 

Irmãs e irmãos da Família Dominicana do Brasil.
É com alegria e esperança jubilares e associando-nos à Adélia Bezerra de Menezes que poetiza que “fazer memória não é mergulhar no passado, desempoeirá-lo e trazê-lo à tona; mas buscar nesse passado experiência, motivação e elã, para uma ação aqui e agora” que convidamos você para participar do 25º Encontro da COMISSÃO DOMINICANA DE JUSTIÇA E PAZ DO BRASIL que será no salão paroquial da Igreja São Judas Tadeu, em Goiânia, com início às 8 horas do dia 22 de novembro próximo –
sábado – e com encerramento previsto para as 17 horas do domingo.

logo_CDJP_25ANOS_26.03-01-01

Ressaltamos que o nosso Encontro anterior insistiu para que celebremos o Ano Jubilar e não momentos isolados de celebração do Jubileu; por esta razão, estão acontecendo atividades em diferentes locais, envolvendo também, na medida do possível, pessoas, comunidades, entidades e movimentos parceiros de
nossa caminhada. É com este espírito que partilhamos com vocês os objetivos deste Ano Jubilar, que serão, consequentemente, também os objetivos do Encontro para o qual estamos convidando você:

a) Animar e fortalecer o ministério de Justiça e Paz a partir das e nas bases, enquanto Família Dominicana;

b) Fazer e celebrar a memória da caminhada, destacando esta caminhada e não a Instituição em si;

c) Projetar luzes para os próximos anos na perspectiva de Justiça e Paz e

d) Preparar-nos para o Seminário de Justiça e Paz da Família Dominicana do Cone Sul, em 2015, com o tema sobre Direitos Humanos.

Pretendemos que o Encontro se realize em forma de um grande mutirão e teremos a assessoria de Frei Timothy Radcliffe.

Todas as pessoas, ao chegarem a Goiânia deverão se dirigir diretamente ao local da hospedagem, inclusive para tomar o seu café da manhã. O local é INSTITUTO SÃO FRANCISCO, Rua 228, nº 36, Setor Coimbra – ao lado da Praça Walter Santos, no Setor Coimbra, telefone: 62 – 3291.6463. Teremos também a possibilidade de hospedagem solidária, caso o número de participantes superar a capacidade de acolhida desse local. As dicas para se chegar no Instituto são:

a) Partindo da Rodoviária: ônibus: 401, Circular, na Av. Independência em direção à Praça “A”. Descer nessa Praça e caminhar duas quadras até a Praça Walter Santos, ao lado está o Instituto São Francisco, hoje a tarifa é 2,80; ou táxi no valor aproximado de R$20,00.
b) Saindo do Aeroporto: valor aproximado de táxi: R$ 35,00.

Daremos continuidade à prática solidária do rateio, por isso o valor individual será o mesmo do Encontro anterior, ou seja: 300,00, incluindo a taxa de hospedagem, alimentação, confraternização e “rateio” para as passagens. Esse valor é para todos/as os/as participantes, independentemente de local de hospedagem. O
rateio das passagens terá como base as passagens de ônibus, exceto leito; as passagens de avião serão consideradas no máximo até o valor das passagens de ônibus, exceto leito. Para facilitar os cálculos e o serviço de contabilidade, pedimos que cada participante entregue, logo no início do Encontro, as passagens de vinda e volta. Os dados bancários para quem quiser ir depositando parcialmente a cada mês são: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL (ou Casas Lotéricas), Agência: 1340. Operação: 013. Conta Poupança: 00019405-4, em nome do Instituto Antônio Montesino/Encontros.
Estamos contando muito com sua participação e, mais: multiplique esse convite a outras pessoas da caminhada, incluindo as pessoas “das primeiras horas” de nossa Comissão. Vamos assim, celebrar – em mutirão – o encerramento do Ano Jubilar de nossa evangélica caminhada. Reforçamos o fato de que esse convite é para a sua participação em tempo integral. Já foi opção dos/as próprios/as participantes concentrar o Encontro em apenas dois dias; por isso, precisamos ser pontuais e objetivos.
Algumas observações importantes:
1ª) A Casa de Encontro estará disponível para receber quem precisar chegar na véspera, a partir do jantar da 6ª feira, na condição de que avisem com antecedência; isso acarretará aumento no valor da hospedagem.
2ª) Haverá a Assembleia Trienal da Comissão Dominicana de Justiça e Paz do Brasil no dia 21 de novembro próximo – dia anterior ao dia do início do 25º Encontro, tendo como participantes possíveis todas as pessoas que participaram de 2 entre os 3 últimos Encontros da Comissão. Esse foi o critério votado pelos/as participantes do 24º Encontro. As finalidades dessa Assembleia são: avaliar a caminhada do triênio 2012-2014, pensar o rumo para o próximo triênio, bem como eleger a coordenação desse próximo período. Para essa assembleia haverá uma mensagem convocatória específica.

Por favor, preencha a ficha de inscrição e devolva até o dia 1º de outubro próximo.

 

 

Plebiscito à vista!

por Frei Betto

A maioria da população brasileira (89%) é favorável à reforma política, constatou pesquisa da Fundação Perseu Abramo. Como atingir esse objetivo?

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil convocou uma centena de entidades da sociedade civil para propor o Projeto de Lei de Iniciativa Popular pela Reforma Política.

O projeto inclui a proibição do financiamento de campanha eleitoral por empresas. Hoje, nós votamos e o poder econômico elege! O financiamento deveria ser com recursos públicos e contribuição de pessoa física no limite de R$ 700.

No sistema atual, qualquer candidato pode ser financiado por empresas. Uma vez eleito, passa a defender interesses corporativos, e não da população.

Exemplos de aprovações que favorecem o lucro de empresas são a liberação dos agrotóxicos, a isenção fiscal ao agronegócio, os contratos de empreiteiras em obras públicas e a política de juros altos.

Em política, empresário não faz doação. Faz investimento. Essa promiscuidade entre interesses políticos e negócios privados estimula a corrupção.

Por considerá-la contrário à Constituição, a Ordem dos Advogados do Brasil levou ao Supremo Tribunal Federal esta contradição: pessoas jurídicas, que não têm direito a voto, influem mais nas eleições que eleitores ao exercerem seu direito de cidadania. A 2 de abril o STF julgou a ação.

avatar- PC

Transcrevo trecho do voto do ministro Marco Aurélio Mello: “Segundo dados oficiais do TSE, nas eleições de 2010, um deputado federal gastou, em média, R$ 1,1 milhão; um senador, R$ 4,5 milhões; e um governador, R$ 23,1 milhões. A campanha presidencial custou mais de R$ 336 milhões. Nas eleições municipais de 2012, segundo recente contabilização do Tribunal, teriam sido gastos incríveis 6 bilhões de reais. E os maiores financiadores são empresas que possuem contratos com órgãos públicos. O setor líder é o da construção civil, tendo contribuído com R$ 638,5 milhões; seguido da indústria de transformação, com R$ 329,8 milhões; e do comércio, com R$ 311,7 milhões.”

O ministro Gilmar Mendes pediu vistas e suspendeu-se a votação. Porém, o resultado já está definido: seis dos onze ministros já votaram contra o financiamento de campanhas por pessoas jurídicas!

Vitória? Ainda não. Parlamentares querem mudar a Constituição e tornar legal a prática de empresas financiarem campanhas eleitorais.

Daí a importância de participarmos do Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva e Soberana na Semana da Pátria.

Para saber mais, entre no site do Plebiscito Consituinte: www.plebiscitoconstituinte.org.br